Em 2008, o número de matrículas no ensino profissionalizante cresceu 14,7%. Foram 795.459 alunos contra os 693.610 do ano anterior. A diferença somou 101.849 alunos nessa modalidade.

As informações são Educacenso 2008, levantamento nacional que reúne dados sobre matrículas de todo o país, divulgado pelo MEC nesta quinta (15). A educação profissional ofertada simultaneamente com o ensino médio regular teve aumento no número de matrículas de 19,6%, enquanto o profissionalizante após a educação básica teve incremento de 10,5%.

Para o ministro Fernando Haddad, esse crescimento se deve à conscientização feita pelo ministério sobre a necessidade de reforma do ensino médio. Segundo ele, está em curso uma “resignificação do ensino [médio] que passa por oferecer oportunidade profissional para juventude”.
Liderança
Os Estados do Norte do país tiveram um incremento de 40,1% no número de matrículas, saindo de 24.729 matriculados em 2007 para 34.633 em 2008. O destaque da região fica com o Acre, que teve 107% de aumento – em 2008, o Estado teve 1.784 matriculados nessa modalidade.

O Estado que lidera o atendimento é São Paulo, com 292.714 matrículas em 2008. Em segundo lugar fica Minas Gerais, com 104.933 alunos no ensino técnico. Segundo Haddad, São Paulo se destaca por causa da expansão da rede pública estadual, enquanto Minas Gerais tem participação da rede particular. “Em parceria com o setor público”, frisa o ministro.

“A rede federal tem, ainda, uma inserção pequena na educação profissional, comparado à somatória [de oferta] dos Estados”, disse Haddad ao ser questionado sobre a participação do governo federal nesse tipo de ensino.
Atendimento público
A educação básica ainda é realizada prioritariamente pelo poder público, que atende 86,7% dos alunos matriculados. As redes municipais contam com a maior parte dos estudantes, respondendo por 24.500.852 de matrículas (46%).

Há 199.761 estabelecimentos de ensino em que estão matriculados 53.232.868 alunos, sendo que 46.131.825 estão em escolas públicas e 7.101.043, em escolas da rede privada.

O Censo Escolar é realizado anualmente pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira). Os dados gerados são utilizados pelo MEC para a formulação de políticas e para o desenho de programas, bem como para a definição de critérios para o repasse dos diversos tipos de recursos a escolas, estados e municípios. Também alimenta o cálculo de indicadores como o Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), que é referência para as metas do PDE (Plano de Desenvolvimento da Educação).

do UOL