O papa Bento XVI criticou fortemente neste domingo a prática da eutanásia, definindo-a como uma “falsa solução para o drama do sofrimento” e “um ato indigno do homem”. Durante o Angelus dominical, na praça São Pedro, o Pontífice voltou a condenar a chamada “morte doce”, e foi muito aplaudido pelos fiéis presentes.

As declarações coincidem com a polêmica que envolve o caso da italiana Eluana Englaro, que há 17 anos vive em coma irreversível e cujo pai conseguiu uma autorização da Justiça para interromper a alimentação e a hidratação que a mantém viva.

É necessário, enfatizou o Papa, ter “a coragem de anunciar a verdade, a coragem de dizer com claridade, por exemplo, que a eutanásia é uma falsa solução”. Bento XVI falou com um tom firme, e em alguns momentos quase gritou. “Não se pode dar a morte como se ela fosse doce, e sim proporcionar o amor que ajuda a enfrentar a dor e a agonia, de forma humana”, ressaltou.
(ANSA)