Subiu para 28 o número de casos confirmados de gripe suína –influenza H1N1– no Brasil, informou o Ministério da Saúde na tarde desta quinta-feira. De acordo com o último boletim da pasta, foram confirmados mais um novo caso em São Paulo e outros dois no Mato Grosso.

Ontem, o órgão já havia confirmado dois casos de contaminação no Estado de São Paulo, onde o número de casos confirmados por gripe suína chega a 12. Os três novos casos são de pessoas que vieram do exterior recentemente. Segundo o ministério, os pacientes estão em isolamento domiciliar e passam bem.

Os 28 casos foram registrados nos Estados de São Paulo (12), Rio (7), Santa Catarina (4), Mato Grosso (2), Minas Gerais (1), Rio Grande do Sul (1) e Tocantins (1).

Dos casos confirmados, sete são de transmissão autóctone –dentro do território nacional–, todos vinculados a pacientes procedentes de viagens ao exterior. “Desse modo, a transmissão no Brasil é limitada e não há evidência de sustentabilidade da transmissão de pessoa a pessoa do vírus da Influenza A (H1N1)”, afirmou o ministério, em nota.

Outros 41 casos suspeitos estão sendo acompanhados em nove Estados e no Distrito Federal. Até a tarde de hoje, 396 casos suspeitos já foram descartados.

Sintomas
A gripe suína é uma doença respiratória causada pelo vírus influenza A, chamado de H1N1. Ele é transmitido de pessoa para pessoa e tem sintomas semelhantes aos da gripe comum, com febre superior a 38ºC, tosse, dor de cabeça intensa, dores musculares e articulações, irritação dos olhos e fluxo nasal.

Para diagnosticar a infecção, uma amostra respiratória precisa ser coletada nos quatro ou cinco primeiros dias da doença, quando a pessoa infectada espalha vírus, e examinadas em laboratório. Os antigripais Tamiflu e Relenza, já utilizados contra a gripe aviária, são eficazes contra o vírus H1N1, segundo testes laboratoriais, e parecem ter dado resultado prático, de acordo com o CDC (Centros de Controle de Doenças dos Estados Unidos).
Folha