Mais um homossexual foi assassinado em Salvador este ano, elevando para 11 o número de crimes desse tipo na Bahia, contra 83 no país. A vítima dessa vez foi o office-boy Carlos Alberto de Souza Ferreira, 44 anos, morto ontem, dentro da própria casa, em Águas Claras, com três tiros – dois no rosto e um no peito.

Segundo informações da 13ª Delegacia, em Cajazeiras, ele bebia em casa com mais duas pessoas. Por volta de 0h30, houve uma discussão. Vizinhos contam que ouviram os tiros. Dados do Grupo Gay da Bahia (GGB) dão conta que, dos 190 homicídios de homossexuais praticados no país, em 2008, 27 foram na Bahia.

O estado ocupa o segundo lugar no ranking em volume de ocorrências, perdendo apenas para Pernambuco. “Os riscos que corremos gays do Nordeste são 87% maiores do que os do Sul”, avalia o antropólogo e fundador do GGB da Bahia, Luiz Mott, acrescentando que a impunidade estimula a prática de novos crimes.

Ele explica que os autores dos crimes geralmente têm entre 14 e 25 anos, a
maioria possui antecedentes criminais e costuma matar para roubar.
Correio*