A imprensa italiana pediu nesta segunda-feira ao técnico Marcello Lippi mudanças para rejuvenescer a seleção, um dia depois da derrota humilhamte de 3-0 para o Brasil, que eliminou os atuais campeões mundiais da Copa das Confederações.

“Que fracasso!”, decreta La Gazzetta dello Sport. “Teria servido marcar um gol no Brasil para seguir na competição. Sofremos três em oito minutos. A um ano para o Mundial, é preciso refazer tudo”, completa na primeira página.

O jornal esportivo, que na sexta-feira chamou de “múmias” os jogadores italianos após a derrota de 1-0 para o Egito, voltou a usar a mesma palavra: “Múmias éramos e múmias continuamos sendo”.

“Voltamos para a Itália com um leve consolo: a esperança de que esta lição sirva a Lippi para voltar à África do Sul dentro de um ano com outra equipe”, prossegue o jornal, que qualifica de “humilhante” a derrota para o Brasil, que superou a Squadra Azurra em “rapidez, classe e juventude”.

Para o jornal La Stampa, “os heróis de Berlim estiveram irreconhecíveis”. “Será precido mudar”, afirma o jornal, que considerou “surpreendente” o balanço da equipe na Copa das Confederações: “duas derrotas e uma vitória sobre os Estados Unidos, jogando durante uma hora com superioridade numérica”.

“Não lembramos de ter recebido uma lição assim desde a final do México (4-1, na Copa de 1970 contra o Brasil), disputada há exatamente 39 anos”, destaca o jornal, para quem a Itália cumpriu a missão de “rato” diante do “gato” Brasil.

O Corriere dello Sport decreta “o fim de um ciclo” e o La Repubblica lamenta que Lippi tenha declarado depois da partida que tinha na equipe os melhores jogadores e não pensava em mudanças. O Corriere della Sera tem como manchete “La Italietta (‘A pequena Itália’) varrida”.

Mais pessimista que as outras publicações, o jornal de Milão afirma que no rosto dos italianos havia “medo” do futebol “alegre e brilhante” dos brasileiros. “Os jogadores velhos não estão bem e os jovens ainda não chegaram”, conclui.
FrancePress