Repórter Diêgo Gomes
Às 12:01

Cidade pequena e sem muitas oportunidades de trabalho. É assim a realidade da maioria dos municípios do interior da Bahia, inclusive do sudoeste do Estado.

Pórem, com peculiaridade distinta dos municípios que produzem café na região, Anagé atrai a possibilidade de emprego e renda para os moradores da cidade por causa do tempo seco, propício para secar os grãos de café que foram colhidos na última safra.

Após a inauguração do Anel Viário em 2002, os caminhões que carregam o produto de Anagé, Planalto e cidades vizinhas deixaram de passar pelo centro de Vitória da Conquista, mas o fluxo pela BA-262 (Conquista-Anagé) é intenso e constante até o final de agosto.

Renda – Segundo informações, a renda diária de quem trabalha na secagem do café é R$ 20, o que garante R$ 600 se a pessoa trabalhar os 30 dias do mês. Aproximadamente 80% das pessoas que residem na cidade vivem na zona rural do município, o que é uma ajuda e tanto. A expectativa é que durante o período de secagem do café, 3,5 mil toneladas do produto vão para Anagé.

Secagem – Com o calor intenso e a alta umidade mesmo no inverno, a secagem do café torna-se mais rápida e barata. Por isso o interesse dos produtores em transportar os grãos é muito grande, resultando economia e rapidez e melhor qualidade do produto para a venda.