Época

O Ministério da Saúde e a CNBB anunciaram nesta quinta-feira (22) uma parceria para o combate do contágio do vírus da aids.

A ideia principal do projeto é usar os agentes pastorais para conscientizar a população da importância do diagnóstico precoce da doença. Inicialmente, a ação vai acontecer em cinco capitais: Manaus, Curitiba, Fortaleza, Porto Alegre e João Pessoa.

De acordo com o diretor adjunto do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, Eduardo Luiz Barbosa, os agentes pastorais terão o papel de multiplicadores de informação. “A Igreja Católica tem uma grande capacidade de alcançar, não só os fiéis, mas também toda a comunidade em torno das igrejas e paróquias”, diz.

Segundo ele, os agentes já estão capacitados para informar a população sobre como fazer o teste e onde buscar tratamento. A Pastoral da Aids, por exemplo, está presente em 142 das 272 dioceses do Brasil e possui 13 mil agentes envolvidos no trabalho de acompanhamento das pessoas com HIV e seus familiares. Na Pastoral da Criança são 260 mil agentes e na da Saúde 80 mil.

A parceria, diz Barbosa, também vai permitir que o debate sobre a importância de se fazer o teste chegue a lugares de difícil acesso, como as populações ribeirinhas do Norte e do Nordeste do país, nas quais as pastorais já operam projetos com as comunidades locais.

Barbosa afirma acreditar que a questão sobre o uso do preservativo, um tabu para a Igreja Católica, não vai atrapalhar a parceria. “O Ministério da Saúde já deixou claro que esse é o melhor meio de se evitar a transmissão do vírus”, diz. Segundo ele, após o teste, cada pessoa poderá seguir a orientação que lhe for mais conveniente, seja a oferecida pelos agentes de saúde – que continuarão recomendando o uso do preservativo – ou pelos representantes das pastorais.

A primeira ação concreta da parceria ocorre no próximo dia 29 de outubro em Curitiba, no Paraná. A população poderá fazer gratuitamente o teste do vírus HIV em frente à igreja matriz da cidade. A possibilidade da existência desse tipo de ação nas outras cidades atendidas ainda não é certa e será decidida pelos serviços de saúde locais.

Segundo estimativas do Ministério, há, atualmente, 630 mil pessoas no Brasil com o vírus da aids. Desse total, 255 mil vivem com o vírus HIV e não sabem.