Visto ainda como um corpo estranho para a torcida, cinquenta e seis anos acostumada com as dimensões da Fonte Nova, o estádio de Pituaçu despede-se neste sábado, 21, na temporada, às 16 horas (horário da Bahia), no jogo entre Bahia e Guarani, do seu principal inquilino.

A festa de final de ano não poderia ter um cenário melhor. Todos os 32.157 ingressos estão esgotados desde o início da semana e o tricolor baiano com apenas uma vitória simples encerra de vez o risco de rebaixamento para a Série C.

A junção destes dois fatores que aparentemente poderiam supor uma combinação perfeita a favor do Bahia logo mais diante do Bugre, vice- líder da Série B, na verdade escondem um amargo retrospecto.

Nas duas outras partidas decisivas do Esquadrão este ano no novo estádio, apenas lamentações. Foi assim no empate de 2 a 2 contra o Coritiba, no dia 8 de abril pela Copa do Brasil, e na derrota para Vitória por 2 a 1, em 26 do mesmo mês, pelas finais do Baianão.

Pior ainda é a constatação de que estes dois episódios são apenas amostras de um estatística mais cruel. Das 33 partidas do Bahia no Metropolitano em 2009 foram registradas 19 vitórias, 9 empates e 5 derrotas.

Em porcentagem, isso representa 66,7% de aproveitamento dos tricolor baiano em sua nova residência.

Na conta dos gols, foram 74 consignados e 35 sofridos, saldo favorável de 39 tentos, engordados principalmente pelas equipes enfrentadas no Campeonato Baiano e pelo confronto diante do Mossoró, que terminou com uma goleada implacável de 6 a 1.

Do Brasileiro, que se esperava a melhor performance veio o pior balanço. Dos 18 jogos, oito vitórias, seis empates e quatro derrotas. Total de 55,5% apenas de aproveitamento.

Melhores momentos – O desempenho aquém do sonhado pela torcida, quando apenas observava por fotos a restauração da praça esportiva, é admitido pelos próprios jogadores do tricolor.

“Se a gente tivesse feito o nosso dever de casa nesse campeonato, estava com mais de 60 pontos e poderíamos estar brigando para subir. Perdemos para Duque de Caxias, empatamos com Fortaleza. Enfim, o time deixou a desejar. A torcida foi nota 10, mas o time demorou para assimilar a competição”, afirma o volante Leandro, reconhecendo o subaproveitamento.

Para o lateral Marcos de bons momentos, ao menos, a vitória sobre o já declarado campeão. “O jogo que mais me marcou em Pituaçu foi contra o Vasco. O estádio lotado, foi muito motivador. E melhor ainda que conseguimos uma bela virada contra um time grande”, afirma.

Das partidas ruins na Série B, consenso entre os dois jogadores: 2 a 1 diante do Duque de Caxias foi a pior apresentação. “Foi nosso pior jogo sem dúvidas. Eles com um a menos e nós conseguimos perder. A gente comenta sobre isso entre nós mesmos até hoje”, recorda Leandro.
ATarde