Não é exagero dizer que o clima e o número de torcedores presentes neste sábado, 21, ao Estádio de Pituaçu eram dignos de jogo de luta pelo acesso à Série A.

A massa tricolor, entretanto, teve outro motivo para comemorar depois dos 90 minutos: o final do pesadelo de um possível retorno para a Série C, com uma rodada de antecedência.

O alívio chegou após o triunfo, por 2 a 0, sobre o Guarani, que marcou a quinta partida consecutiva sem derrota, com apenas um empate. Curioso é que os derrotados tiveram ainda mais felicidade, pois confirmaram a subida para a elite.

“Lógico que eu não gostei da derrota, mas fico feliz com o acesso e pelo Bahia não ter caído porque já trabalhei aqui e sei da importância da torcida”, disse o técnico Vadão.
A situação tricolor era complicada antes dos últimos cinco jogos, quando estava na zona de rebaixamento. Quatro vitórias contra Juventude, Vila Nova, Ponte Preta e Guarani, e um empate contra o Fortaleza, garantiram a salvação.

Logo aos dois minutos, o Bahia assustava com boas jogadas do lateral-esquerdo Hélder, que fez sua melhor apresentação com a camisa tricolor. Em uma delas, aos 10 minutos, o camisa 6 cruzou na área, o atacante Jael tentou passar por dois zagueiros e foi derrubado. Na cobrança do pênalti Nadson deslocou o goleiro e fez a torcida levantar. No lance seguinte, o goleiro Marcelo completou a festa com uma grande defesa em chute de Adriano Gabiru.

No final, aos 46 minutos, o capitão Nen completou o placar da salvação: fez 2 a 0, de maneira chorada. O meia Juninho, que tinha errado duas cobranças de escanteio, conseguiu acertar uma, Bruno Silva desviou na trave e o camisa 3, um dos mais importantes jogadores durante toda a temporada, empurrou para as redes.

Manteve a vantagem – No segundo tempo, o Bahia buscou segurar o resultado, enquanto o Guarani não chegava a assustar e, beneficiado com os outros resultados da rodada, parecia conformado com a derrota. Aos 19 minutos, Jael adiantou demais a bola e chutou na rede pelo lado de fora, em um dos poucos momentos de perigo.

Aos 23 minutos Marcelo fez uma grande defesa em chute de Cléber Goiano, depois de uma bola no travessão e comemorou como se fosse um gol marcado. Fazendo jus às súplicas da torcida no início do jogo. “Fica, paredão. Seu lugar é no Esquadrão”. O jogador não respondeu.
ATarde