geddelentrevistaO ministro Geddel Vieira Lima, pré-candidato a governador da Bahia, concedeu entrevista ao nosso site. Geddel comentou sobre o governo Wagner, a possibilidade de candidatura própria de seu partido a presiência da República além de pesquisas que o colocam em terceiro lugar.

TRIBUNA DA CONQUISTA – Como o senhor avalia o governo Wagner quando tinha o PMDB com as secretarias e agora sem o PMDB na base de apoio?

GEDDEL – O grande problema do Wagner quando teve o PMDB foi a absoluta incapacidade de não ouvir. Marcamos uma audiência formal para fazer críticas internas e não fomos recebidos Acho que após a saída do PMDB o governo piorou. Piorou porque, quem nos substituiu vivem apenas prometendo. O secretário de infra-estrutura (João Leão – PP) está prometendo tapar até os buracos que existem na Lua. O secretáriod e Indústria e Comércio só faz agredir, não tem relacionamento nem dentro do próprio PT. Mas sou a favor da Bahia, quero que o governo melhore. Esse governo atrapalha eu quero um que ajude.

TRIBUNA DA CONQUISTA – Como o senhor vê o lançamento da pré-candidatura de Roberto Requião (governador do Paraná) ao presidencia da República?

GEDDEL – É legítimo o partido do tamanho do PMDB lançar candidatura própria, mas acho que isso não se sustenta. O andamento do projeto nacional do partido é vinculado ao presidente Lula que está dando certo. O Lula da certo ao Brasil, Wagner está dando errado para Bahia”.

Tribuna da Conquista – O que tem a falar dos outros dois candidatos ao governo. do Estado

GEDDEL – Um (Paulo Souto) representa o passado que já ficou distante. Eles tiveram suas chances e não fizeram. O do presente (Wagner) tirou a esperança do povo. O governador da Bahia não tem que ser amigo do presidente, tem que ser a Bahia, a Bahia e a Bahia.

TRIBUNA DA CONQUISTA- Como viu a pesquisa divulgada sexta-feira pelo PT?

GEDDEL – Eles renegaram o passado. Divulgam pesquisas e logo em seguida precisam ser desmentidas de maneira vergonhosa. Wagner antes do apoio do PMDB tinha 4% ninguém levava Wagner a sério e elegemos o atual governador.