janeiro 2010
D S T Q Q S S
« dez   fev »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  


Caça Ao Vazamento

IstoÉ

Jobim e Saito

Um compromisso delicado aguarda o presidente Lula na volta de suas férias, nos próximos dias.

Da praia do Guarujá, no litoral paulista, onde passou a semana passada, ele convocou para uma reunião o ministro da Defesa, Nelson Jobim, o comandante da Aeronáutica, Juniti Saito, e o brigadeiro Dirceu Tondolo Nolo, responsável pela Copac, comissão que coordena o programa FX-2, que resultará na bilionária compra de 36 jatos de combate para a Força Aérea Brasileira (FAB).

Lula e Jobim querem saber como um relatório indicando o caça Gripen NG, da empresa sueca Saab, como o favorito dos militares para vencer a concorrência – disputada também pelo francês Rafale, da Dassault, e o americano F-18 Super Hornet, da Boeing – vazou para a imprensa no início da semana passada, constrangendo o presidente e o ministro e acirrando uma crise entre eles e os comandos das Forças Armadas.

A julgar pelo relatório divulgado pelo jornal “Folha de S. Paulo”, a Copac fez ouvidos moucos à recomendação de Jobim para que a análise técnica não hierarquizasse os três aviões finalistas e apresentou uma classificação em que prioriza o preço em detrimento de requisitos técnicos, logísticos, de transferência tecnológica e contrapartidas industriais (off-set).

O episódio pode terminar com a punição dos membros da Copac e ainda precipitar a decisão pela escolha do avião francês, favorito do governo. Na Defesa, o descumprimento da ordem de Jobim está sendo tratada como insubordinação. E o vazamento de informações, consideradas segredo de Estado, pode até ser enquadrado como crime de segurança nacional.

De uma forma ou de outra, Lula já mandou avisar que não vai se submeter às pressões. O recado foi dado pelo chanceler Celso Amorim. “A decisão será política. É o presidente, com a ajuda de seu Conselho de Defesa, que tomará a decisão final”, disse.

Segundo Amorim, “às vezes os técnicos dão uma impressão que vai num sentido e muitas vezes o barato sai caro”. Jobim, por sua vez, disse que encaminhará a Lula um relatório próprio. “Vou analisar tudo, tirar dúvidas, avaliar o sistema de cálculo e levar as minhas conclusões para o presidente”, afirmou.

Como ISTOÉ revelou em dezembro, o relatório completo do programa FX- 2, com 30 mil páginas, traz diversas tabelas mostrando os pontos positivos e negativos de cada avião, usando um código de cores (azul, amarelo e vermelho), em vez de notas. Dos três, por exemplo, o jato francês apresenta o pacote tecnológico mais abrangente, enquanto o sueco é o mais barato.

De posse dessa papelada, a Copac resolveu fazer um sumário executivo e tentou emplacar a classificação: o Gripen NG apareceu em 1º lugar, seguido do F-18 e do Rafale, em terceiro.

O documento passou nas mãos de Saito e Jobim, que mandou os militares elaborarem uma nova versão, sem o ranking. Isso foi feito, mas o documento anterior, em vez de ser destruído, acabou vazando. Para o consultor de segurança nacional Salvador Ghelfi Raza, da Universidade de Defesa dos EUA, braço acadêmico do Pentágono, vazamentos como esse devem ser apurados. “É preciso investigar para saber se há uma manipulação do resultado da concorrência por interesses escusos”, afirma.

O fato é que está em curso uma poderosa guerra de lobbies, envolvendo os maiores fabricantes mundiais, para abocanhar um contrato de até R$ 10 bilhões. Até que se prove o contrário, não há nada de ilegal na atuação desses grupos de pressão. No entanto, algumas vezes os interesses parecem difusos.

Para tentar emplacar o Gripen NG, a Saab contratou o brigadeiro reformado Fernando Cima, ex-coordenador da Copac na primeira edição do FX. Com ascendência sobre muitos oficiais, Cima é sempre recebido na FAB com a reverência que sua patente impõe, com direito até a continência dos próprios membros da comissão.

Outro contratado pelo fabricante sueco é o engenheiro Anastácio Katsanos, que foi vice-presidente militar da Embraer. A Embraer chegou a analisar a compra de parte da Saab por meio de um swap de ações, considerando a eventual escolha do Gripen NG. Dentro da companhia, há o entendimento de que o caça sueco dá a oportunidade de um desenvolvimento conjunto do projeto.

Mas é exatamente o fato de ser apenas um projeto que traz insegurança para o governo. Não há como saber quando o avião estará operacional. Da mesma forma, é impossível definir qual será seu preço final. O valor de US$ 50 milhões, anunciado pela Saab, é uma estimativa. Bem diferente do que ocorre com o Super Hornet (US$ 55 milhões) e o Rafale (64 milhões de euros, US$ 91,6 milhões), aviões totalmente operacionais e com preço estabilizado.

“Não dá para comparar o Rafale, que já é operacional, com o Gripen, um avião que não existe”, reagiu o ministro da Defesa francês, Hervé Morin. Essa lógica também embala as discussões sobre o custo da hora-voo. A hora-voo do F-18 está em US$ 11 mil, enquanto a do Rafale é de 9,8 mil euros (US$ 14 mil).

Já a do Gripen, segundo a Saab, seria de US$ 4 mil. O problema é que a própria comissão técnica da FAB, a partir de cálculos baseados em dados de manutenção extrapolados do Gripen C/D (versão anterior ao NG), encontrou um valor diferente do informado: US$ 8 mil. Na Noruega, os técnicos estimaram esse custo em US$ 10 mil.

A divergência de informações pesa contra a opção sueca. Um outro dado importante parece ter sido esquecido no sumário que foi vazado à imprensa: o teste de pilotagem. Em outubro, Jobim convocou os pilotos que testaram os caças para que emitissem um parecer. Os militares destacaram o desempenho do Rafale e também elogiaram o F-18, mas não tiveram o que dizer do Gripen NG, pelo simples fato de que não puderam voar nele.

O que está disponível para testes é um “demonstrador”, uma espécie de protótipo feito com base num modelo de treinamento que tem muito pouco a ver com a versão final. Como alertou Amorim, o barato pode sair caro.

1 resposta para “Caça Ao Vazamento”

  • Da redação disse:

    OBS: Apagamos um comentário por erro e estamos postando novamente, pois o mesmo fica gravado em nosso email.

    Autor: Martim
    Email: jnicoladelli@bol.com.br

    Comentário:
    MARACUTAIA? NÃO, ACÔRDO ESTRATÉGICO!
    Vocês não vão querer que depois de Moulin Rouge, Paris, França (que charme, que inveja), o presidente (populista e ditador) e os dois ministros mais exibidos digam o que está acontecendo, né? Fiquem felizes se conseguirem trabalho para pagar muito imposto (a maior carga deste planeta) nestes próximos 30 anos. Aliás, é o papel de vocês neste evento! É, a compra será feita pelo dobro do prêço (você paga tudo!). Paciência, gente. Vocês sabem que a vida em Paris é cara, né? E como os novos francêses vão viver em Paris? Têm que reservar uma graninha dentro da cueca, né? Não reclamem … ué, vocês estavam achando graça do que o presidente estava fazendo … justamente no final de seu mandato. Se houver uma enorme maracutaia nisto, será rotulada apenas como “coisas de governos passados” ou então como “perseguição política”, pois o autor estará bem longe e à salvo. Isto faz parte da democracia: propina-se o mandatário e o pais cai de quatro. Agora,
    voltem ao trabalho … e façam bastante horas-extras. Talvez tenham até que pagar um pouco mais de impostos. Paguem e não bufem! Ah, ia esquecendo: não estou a fim de entrar nesta vaquinha. Vocês pagam a minha parte nesta conta, né?

Deixe seu comentário



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia