janeiro 2010
D S T Q Q S S
« dez   fev »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  


Opinião: HAITI, a esperança que não quer morrer…

Wal Cordeiro

“Olho para a terra e vejo grande multidão, homens andando e chorando, sem a direção”. Esse é um refrão de uma música, cristã antiga, que eu sempre ouvia na década de oitenta, mas não conseguia vislumbrar e compreender o verdadeiro sentido da mensagem.

Só agora após 20 anos, depois do dia 12 de janeiro de 2010, entendo claramente o que o autor, inconscientemente, queria dizer. Ele estava profetizando sobre uma tragédia que viria muitos anos depois.

O terremoto que assolou o Haiti, pequeno e pobre país das Américas vai ficar gravado e cravado, por muito tempo, na memória de milhões. A ONU já declarou que essa foi a maior de todas as tragédias da história, do ponto de vista de impacto social negativo. Dizem que no terremoto morreram em torno de 50 a 100 mil pessoas e milhões ficaram órfãos, sem lugar para morar, sem água potável e sem alimento. Já pensou se você e eu fizéssemos parte dessa estatística?

É difícil assistir as cenas, pelos canais de TV, de milhares de pessoas andando pelas ruas sem direção, ver as fotos dos escombros e cadáveres espalhados no chão e ouvir os depoimentos sem ficar chocado e sensibilizado.

A não ser que a pessoa já perdeu o senso de solidariedade e bondade! Não tem, mais, um coração de carne e sim de pedra. Todos foram impactados com o acontecido, quer queiram quer não. O mundo jamais será o mesmo.

Tentar descrever a real situação em que os nossos irmãos haitianos estão vivendo é impossível. Buscar uma resposta convincente sobre o verdadeiro motivo da tragédia é mais impossível ainda.

Achar um culpado pela catástrofe geológica está fora de cogitação. Então, como seres humanos que ainda são humanos, o que nos resta como alento é nutrir a bondade e a esperança, a mãe de todo recomeço.

O Haiti necessita de todos, precisa ser reconstruído: física, espiritual e emocionalmente. Vai levar muito tempo para apagar a chama da dor e baixar a poeira da insegurança, mas temos que fazer algo. Podemos fazer alguma coisa. Pesa sobre nós a obrigação de incorporar a esperança e a bondade. Isto é, sair do campo do espanto e do discurso e entrar pela estrada da ação humanitária. Como?

Primeiro, orando a Deus por todos ali. Segundo, levantando recursos para serem enviados ao povo sofrido (através de alguma instituição idônea). Terceiro, ser voluntário para ajudar na reconstrução do país, se necessário for e por último, envolvendo outros na arrecadação de donativos. É o mínino que podemos fazer. Lembre-se, você não está imune a esse tipo de situação. Não deixe a esperança morrer. Hoje é o Haiti, amanhã poderá ser o Brasil.

Levei um bom tempo na internet tentando achar, no país, alguma instituição conceituada que estivesse se envolvendo na arrecadação de recursos para o Haiti. Encontrei, graças a Deus. Se você quiser participar dessa campanha, acesse o meu blog: www.walcordeiro.com.br e saiba como ajudar a impedir que a esperança morra no Haiti!!!

Deus salve o Haiti.

1 resposta para “Opinião: HAITI, a esperança que não quer morrer…”

  • Fernando disse:

    Entendo a sua visão e acho que o mundo precisa se ajudar. Porém, não podemos esquecer, pois nós brasileiros fazemos isso com bastante frequência e facilidade, de que temos a nossa própria catástrofe interna. Quantas pessoas morrem diariamente por falta de atendimento em hospitais? Quantas pessoas morrem diariamente por falta de segurança? Quantas pessoas morrem por falta de saneamento básico? Quantas pessoas morrem desnutridas em nosso país? Como pode o governo brasileiro querer disponibilizar uma verba maior que a própria ONU, para ajudar outro país em quanto o nosso está largado ao caos? Cadê a verba que tanto prometeram para as cidades brasileiras que sofreram com as chuvas? Onde está o dinheiro que estaria disponível para que as pessoas que estão sem teto poderem iniciar suas vidas novamente?
    Entendo, que o nosso presidente esteja pensando em melhorar o conceito do nosso país perante os país que poderiam investir aqui e com isso termos mais empregos e etc… Quando o nosso país estiver reformado com as verbas que o nosso governo disponibiliza, sem precisar buscar de fora, os outros países investidores virão de qualquer geito, pois seremos um modelo. Mas como pode esquecer do que está aqui, acontencendo no nosso dia-dia? Será que um prêmio Nobel é mais importante do que um povo que clama por melhorias e atenção? Os países que querem ou estão ajudando o Haiti, não estão enviando dinheiro para o governo de lá por causa da corrupção. Quem somos nós brasileiros que deixamos ou permitimos que nosso país estaja no topo da lista dos países mais corruptos deste planeta?
    Povo brasileiro, vamos olhar mais pra nós mesmos, temos sim que receber os estrangeiros com dignidade e não como se fossem celebridades, mas vamos passar a ter mais orgulho de nós mesmos e reconhecer que precisamos mudar para termos um país melhor. Temos que ter mais amor pelo nosso país e os cidadãos que aqui vivem. Quando tudo estiver estruturado, aí sim, ao invés de deixarmos as pessoas daqui continuarem morrendo para ajudar os necessitados de outros países, podemos com tranquilidade fazê-lo.

Deixe seu comentário



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia