O Sindusfarma (Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos no Estado de São Paulo) anunciou nesta segunda-feira que o reajuste anual dos preços de medicamentos será de até 4,60%, em média, neste ano.

Os 18.630 produtos disponíveis são divididos em três categorias de reajustes, de acordo com a participação dos medicamentos genéricos: para as classes com participação igual ou superior a 20%, o índice de reajuste será de 4,83%; para aquelas com índice entre 15% e 20%, o reajuste será de 4,64%; e a terceira classe, com participação de genéricos abaixo de 15%, terá aumento de 4,45%.

Em nota, o Sindusfarma esclarece que o reajuste anual corrige a tabela de Preços Máximos ao Consumidor e não acarreta aumentos automáticos nas farmácias e drogarias. Os índices divulgados na tabela definem o teto de preços dos medicamentos, ou seja, os preços podem ser menores, mas não maiores do que o máximo autorizado. A entidade afirma que o reajuste é autorizado pela CMED (Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos) e entra em vigor no dia 31 de março.