Julio César Cardoso*

Todos os ministros (parlamentares), que deixaram os seus cargos no governo para se dedicarem à campanha eleitoral são uns tremendos oportunistas políticos, que desrespeitam brasileiros. Eles não querem jamais perder o status ou a boquinha rica das benesses públicas.

Vivem pulando de galho em galho na ribalta política do poder. São os “profissionais” da política, ou seja, aqueles que vão defender os seus interesses pessoais ou de grupos, mascarados de servidores públicos.

São uns estelionatários políticos descarados. Passam cheques sem fundos ao eleitor dizendo que vão exercer os seus mandatos, mas depois de eleitos dão uma banana ao povo e vão desempenhar outros cargos na administração pública para os quais não foram eleitos.

São autênticos traidores de eleitores com práticas políticas de interesses inconfessáveis. São os legítimos abutres vorazes pelas glórias do poder. Não têm decência política. Não têm ética e moralidade pública. E conhecem bem a arte da esperteza política. Enganam o povo com a destreza de um mágico, só que este exerce a sua arte com profissionalismo e seriedade.

São gananciosos pelo poder. E em nome dele são capazes das maiores proezas. Utilizam de todos os artifícios para estarem sempre na vitrine política do poder. Não têm vergonha de se olhar no espelho, mesmo que a imagem reflita o seu caráter distorcido. São falsos democratas que se valem da leniência constitucional, instituída em 1988 e sem a participação expressiva da sociedade, para mandar, desmandar e anarquizar o exercício regular do mandato político.

Soa incompreensível a qualquer cidadão de mediana cultura saber que um parlamentar eleito pode deixar de exercer o seu mandato para prestar serviço em outra área da administração pública.

Isso não é um grande desrespeito ao povo? É constitucional, mas muito imoral.

E por que não corrigem? Porque os nossos políticos estão acostumados a conviver em um sistema político viciado, em que a famigerada Lei de Gerson, de só tirar vantagem, já se incorporou de tal forma no DNA da política brasileira, que só está faltando ser incorporada na Constituição Federal. Eleitores, não reelejam ninguém. Política não é profissão.

O Parlamento precisa sempre de oxigênio novo. O continuísmo e a mesmice representam uma praga nociva na vida política brasileira e precisa ser combatida. Ninguém é insubstituível.

*Julio César Cardoso – Bacharel em Direito e servidor federal aposentado Balneário Camboriú-SC