Novas denúncias no caso da estudante Maísa Cordeiro Macedo, que teria morrido ao ser baleada por um policial militar, no último domingo, em Nova Canaã, no sul do estado.

Uma testemunha da morte da estudante fez graves acusações contra os PMs que participaram da ação. Segundo a testemunha, mesmo depois de baleada, a adolescente foi algemada pela polícia.

“Ela estava no chão algemada e baleada. Os dois policiais pegaram no braço e na perna e a jogaram no fundo da viatura, levando-a para o hospital”, denuncia.

De acordo com a testemunha, ela e outras pessoas que estavam no local teriam tentado socorrer Maísa, mas foram impedidas pela polícia.“A gente tentou dar socorro, mas a polícia não queria e tratou a gente bastante mal”, conta.

Maísa estava na garupa da moto de um amigo na madrugada de domingo quando ele viu uma blitz na entrada de Nova Canaã e fez o retorno para escapar da fiscalização. Policiais perseguiram os dois e atingiram a estudante com um tiro.

Os PMs acusaram o motociclista Cássio Bastos Santos de porte ilegal de arma. Ele foi preso e nega que estivesse armado. Cássio alega que só fugiu porque estava sem os documentos da moto. A testemunha falou que ele não foi revistado no local.

“Na hora ele suspendeu a camisa para a polícia revistar e eles não revistaram. Cássio estava com um blusão e nem isso foi revistado”, revela.

O comandante do policiamento regional sul, Coronel Ivo Silva Santos, disse que desconhece as denúncias e que é preciso esperar a conclusão do inquérito policial dentro de 30 dias. Segundo ele, as testemunhas e os policiais envolvidos serão convocados ainda esta semana para prestar depoimento.
BATV