A chuva intensa que atinge o município de Feira de Santana (a 107 Km de Salvador) desde a madrugada desta quinta-feira, 8, deixou um morto. O pedreiro Raimundo de Jesus Ramos tentou atravessar uma pequena ponte sobre um riacho, no bairro de Feira X, e foi levado pela água.

No momento do acidente, a ponte, que mede cerca de 3 metros e não tem corrimão nem apoio lateral, estava coberta pela água. O corpo foi resgatado já no final da tarde desta quinta, a mais de um quilômetro de distância, no bairro Viveiros.

As aulas da rede municipal de ensino também foram suspensas na cidade nesta quinta, 8, e sexta, 9. Ainda não há levantamento preciso sobre a quantidade de pessoas atingidas pelo temporal. Os desabrigados foram encaminhados para o Ginásio de Esportes Oyama Pinto. O região mais atingida foi o bairro Irmã Dulce.

A chuva causou estragos também na cidade de Prado (a 796 km de Salvador), no extremo sul da Bahia, onde uma pessoa morreu e cerca de 500 ficaram desabrigada. As águas do córrego da Ribeira do Campinho transbordaram e invadiram diversas casas da periferia. A maioria das famílias foi levada ao Colégio Luis Eduardo Magalhães, enquanto uma pequena parcela preferiu se abrigar na casa de parentes e amigos.

No bairro São Braz, um dos mais atingidos, morreu eletrocutada Adésia Coelho, 42 anos. A vítima andava pela rua quando pisou em um fio que fazia parte da rede elétrica clandestina montada no local.

Cratera – Outro transtorno foi o rompimento de duas represas localizadas no córrego. A força da água abriu uma cratera com cerca de 30 metros na BR–489, em um trecho que fica a seis quilômetros da cidade. Representantes do Departamento de Estradas e Rodagem (Derba) estiveram na BR – atualmente sob administração do Estado –, para avaliar os prejuízos causados pelo buraco.

A prefeitura da cidade decretou desde a última quarta, 7, estado de emergência por 30 dias. A Coordenação Estadual de Defesa Civil (Cordec) informou que ajudará a cidade com colchões, cestas básicas e enviará uma equipe de técnicos.

O Instituto Clima Tempo prevê que a chuva em Prado deve continuar até domingo.

Juazeiro – As chuvas desta semana em Juazeiro, município 500 km distante de Salvador, deixaram ruas e avenidas alagadas, inundando várias casas na periferia e obrigando as famílias a deixarem suas residências para se instalar em abrigos improvisados pela Defesa Civil. Até o momento, são 10 famílias desabrigadas.

Nesta quinta, Juazeiro enfrentou mais uma madrugada de muita água com registro de 62 milímetros de chuva que, somados aos 77.5 da noite de quarta, marca 139.5 milímetros em menos de três dias. O Laboratório de Meteorologia da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) previa para todo o mês de abril 52 milímetros.

Cruz das Almas – Em Cruz das Almas, algumas ruas ficaram alagadas por conta da chuva forte que caiu na manhã desta quinta no município. Segundo informações de moradores, na cidade não há serviço de drenagem e qualquer chuva costuma alagar ruas. Além disso, em alguns bairros faltou energia. A Coelba, por meio da assessoria de comunicação, informou que as intempéries e as descargas elétricas estão prejudicando o fornecimento de energia em alguns municípios da região.

Recôncavo baiano – Por causa das chuvas que caem na região do Recôncavo baiano, 12 presos da Delegacia de Maragojipe (a 133 km de Salvador) tiveram de ser transferidos para a carceragem da 3ª Coordenadoria de Polícia do Interior (Coorpin), em Santo Amaro.

Segundo a delegada titular, Ângela Menezes, em época de chuva, a delegacia costuma ficar alagada e a água invade as quatro celas. “Estamos nessa situação porque a infraestrutura da delegacia não oferece resistência em caso de inundação. A Justiça achou por bem transferi-los”, explicou a delegada.

A delegada salientou que à medida que são lavrados os flagrantes e liberados pedidos de prisão, todos são transferidos.
ATarde