Somente este ano, 22 mortes – provocadas pela meningite meningocócica do tipo C – foram registradas na Bahia. Os dois últimos falecimentos foram registrados na semana passada: o jovem Edenilson do Espírito Santo, 21 anos, e a pequena Mayse Kelly Chaves, de apenas um ano.

Na capital, conforme boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde (Sesab), o aumento no número de casos, com relação ao ano passado, já chega a 38,8%. Mais de 50 pessoas já tiveram a doença em Salvador.

O jovem Edenilson morreu na madrugada da última quinta-feira, 22, após ser internado no Hospital Jaar Andrade, em Salvador. Já a menina Mayse faleceu na segunda-feira passada – dia 19 – no Hospital Esaú Matos, na cidade de Vitória da Conquista, sudoeste do Estado. Os dois acabaram falecendo momentos após terem recebido alta das unidades onde procuraram por atendimento.

Edenilson chegou ao Jaar Andrade por volta da 1h da manhã e teve o óbito confirmado às 3h30. Ele já havia procurado a unidade horas antes, quando foi medicado, mas liberado com diagnóstico de virose. Momentos depois, os sintomas do rapaz se intensificaram e ele acabou sendo internado, mas acabou falecendo. O enterro de Joilson aconteceu na tarde de sexta-feira.

Já Mayse, que foi atendida pelo Hospital Municipal Esaú Matos, teve o diagnóstico de otite – inflamação no ouvido – e também foi liberada. Mais tarde, o quadro da criança se agravou e a mãe resolveu retornar à unidade hospitalar. A criança chegou a receber novo atendimento, porém não resistiu.

No estado, o número de casos avança nos municípios Camaçari, Feira de Santana, Santo Amaro, Lauro de Freitas, Bonito, Mata do São João e Vitória da Conquista. Na capital, o bairro de São Caetano registra grande parte das ocorrências. A faixa etária dos casos tem variação entre quatro meses a 46 anos, sendo que as pessoas na faixa etária de 10 a 14 anos têm maior risco de adoecer.
TribunadaBahia