Seleção de 58

Seleção de 58

O Governo enviou ao Congresso um projeto de lei para conceder pensão vitalícia aos jogadores da seleção brasileira campeões das Copas de 1958, 1962 e 1970. O texto foi assinado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva na quarta-feira e está publicado no Diário Oficial da União.

Se aprovado, os jogadores ou herdeiros receberão um prêmio de R$ 100 mil e ainda um auxílio mensal vitalício calculado com base na renda dos ex-jogadores.

A mesada será equivalente à diferença entre o que eles recebem atualmente e a aposentadoria máxima da Previdência Social, que é de R$ 3.416,54 Os contemplados estarão isentos de Imposto de Renda e contribuição previdenciária. O pagamento será feito com recursos do Ministério do Esporte.

A concessão da ajuda vinha sendo estudada por parte do Governo há dois anos, no aniversário de 50 anos da primeira conquista do Brasil em Copas, na Suécia, em 1958. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva reconheceu que “nem todos os campeões têm uma condição financeira digna” e, por isso, propôs que a pensão fosse concedida.

Na época, o ex-jogador Tostão publicou uma crônica no jornal Folha de S. Paulo se mostrando contra o benefício. Campeão do mundo em 1970, ele pediu para tirar seu nome da lista, pois pensa que já foi recompensado pela conquista.

“O governo não pode distribuir dinheiro público. Se fosse assim, os campeões de outros esportes teriam o mesmo direito. E os atletas que não foram campeões do mundo, mas que lutaram da mesma forma? Além disso, todos os campeões foram premiados pelos títulos. Após a Copa de 1970, recebemos um bom dinheiro, de acordo com os valores de referência da época”, escreveu.
eBand