No quarto dia da série de entrevistas com candidatos ao governo do estado, o BATV recebeu nesta quinta-feira (19) o atual governador da Bahia, Jaques Wagner.

O tempo de entrevista foi de cinco minutos, com tolerância de 30 segundos. Confira abaixo:

BATV – Depois de quase quatro anos de governo o senhor hoje, lá na Fieb, ouviu dos empresários da Federação das Indústrias três afirmações bem contundentes: a de que a malha rodoviária é de má qualidade; de que os portos estão entre os piores do Brasil; e que temos problemas também na mobilidade urbana, já que as principais vias da capital estão saturadas. O que o senhor achou dessas afirmações?
Jaques Wagner – Eu acho que são constatações que nós já temos no governo e por isso que a gente está trabalhando para superá-las. É claro que isso não é fruto de três anos e oito meses, isso é fruto de um período longo sem o investimento devido. O que que nós fizemos? No caso das rodovias, o Governo Federal licitou e fez concessão da 324 e a 116, vamos duplicar de Eunápolis até a fronteira com o Espírito Santo a 101, de Feira de Santana até a fronteira com Sergipe a 101 também e nós, a nível de estado, fizemos a licitação do sistema BA-093, que é o Complexo Viário em torno do Pólo Industrial de Camaçari, envolvendo várias cidades, o contrato já foi assinado, a concessão já está valendo e já vamos começar a ver as melhorias.

Do ponto de vista dos portos, está projetado o novo Porto Sul, um pouco acima de Ilhéus, entre Ilhéus e Itacaré, que vai cuminar com o final da nossa ferrovia Oeste – Leste, uma ferrovia de aproximadamente 1000 Km, que vem da fronteira Goiás – Tocantins até o oceano Atlântico. Provoquei positivamente os empresários e eles já fizeram todo um estudo de renovação, de modernização do Porto de Aratu, que foi entregue ao Ministro Especial dos Portos Pedro Brito e eu já estou defendendo junto ao presidente Lula que o Porto de Aratu possa ser alvo de uma concessão.

Além disso, nós estamos preparando a segunda pista do aeroporto de Salvador como preparativo da Copa e na mobilidade urbana, o presidente Lula vai estar aqui no dia 26, quinta-feira da semana que vem, exatamente assinando o contrato de empréstimo entre o Governo Federal e o Governo Estadual de R$ 560 milhões, que vai cuidar de um novo modelo de transporte, que a gente chama de veículos leves sobre pneus, que virá desde Lauro de Freitas, passando pelo aeroporto, chegando até o Iguatemi, dali ele vai se interligar na Rótula do Abacaxi com o sistema metrô, que nós pretendemos que nos próximos quatro anos de governo a gente possa completá-lo, porque não tem sentido você ter um metrô que saia de um centro como a Lapa até outro centro de distribuição de transporte, que é a Rótula do Abacaxi. Então o debate foi bom, eu até brinquei com eles que essa constatação é verdadeira, que não é fruto de três anos e oito meses, mas que nós estamos respondendo a todo esse problema de infraestrutura para garantir mais um ciclo de desenvolvimento para a Bahia.

BATV – Há exatamente quatro anos, que as pesquisas eleitorais o apontavam com apenas 16% das intenções de voto e o primeiro colocado levava uma grande vantagem, mas o senhor acabou vencendo as eleições. Hoje o senhor não teme a repetição desse fenômeno da inversão?
Jaques Wagner – Eu não temo, mas não me descuido. Na verdade eu considero que pesquisa é uma fotografia do momento. Desde novembro até agora são 15 pesquisas consecutivas dando conta que nós podemos vencer junto com a nossa candidata Dilma Roussef no primeiro turno das eleições até agora estou na frente com 12 pontos percentuais sobre a soma dos outros candidatos, mas eu confesso que eu não fico dormindo na rede por conta da pesquisa boa. Eu sigo o conselho do presidente Lula, de que a humildade é a melhor parceira do sucesso. Estamos trabalhando muito, visitando muito o interior e eu espero que, ao contrário de uma reversão, a gente possa ter uma ampliação no dia 03 de outubro.

BATV – Incomoda ao senhor o fato da candidata Dilma também apoiar o seu oponente Geddel?
Jaques Wagner – Não, nem um pouco. Eu creio, e disse isso à então ministra Dilma, com quem eu tive o prazer de trabalhar ao longo de três anos e seis meses, como ministro do presidente Lula, que ninguém que é candidato a presidência da república pode rejeitar qualquer apoio. O PMDB bainao resolveu fazer uma carreira própria, se desvinculou do nosso governo, isso já é uma página virada aqui na história política e é óbvio que a candidata Dilma Roussef, como eu torço pelo seu sucesso, tem que acolher a todos que querem defender a sua candidatura. Não me incomodo de jeito nenhum, eu vou continuar trabalhando e dizendo que ela é a minha candidata…

BATV – Quais são as suas considerações finais?
Jaques Wagner – Espero que ao longo dessa campanha, em um bom nível, a gente possa apresentar o que fez e o que a gente quer fazer e não posso deixar de pedir o voto para a minha candidata à presidência da república, a Dilma Roussef, para meus senadores Walter Pinheiro e Lídice da Mata, os dois para, juntos com João Durval, fecharem uma trinca de apoio à presidente Dilma, para os nossos deputados federais e estaduais e evidentemente para a nossa candidatura, que eu creio que nós estamos acertando…