No último dia da série de entrevistas com candidatos ao governo do estado, o BATV recebeu nesta sexta-feira (20) o ex-governador da Bahia, Paulo Souto.

O tempo de entrevista foi de cinco minutos, com tolerância de 30 segundos. Confira abaixo:

BATV – Há exatos quatro anos que o senhor como candidato aparecia na pesquisa do Ibope com 52% das intenções de voto, agora o senhor aparece com 19%. A o que o senhor atribui essa queda?
Paulo Souto – Olha, eu acho que foi uma mudança que aconteceu basicamente no último mês. A experiência tem mostrado que a decisão do eleitorado se dá no último mês. Eu acho que tem outras pesquisas que já mostram uma posição minha muito mais confortável, de modo que estou na luta, sou um candidato competitivo e tenho muita esperança de que a gente possa chegar vitorioso ao final da campanha política.

BATV – A pesquisa também aponta uma rejeição muito forte à sua candidatura. Qual a estratégia que o senhor tem para reverter esse quadro?
Paulo Souto – Mais uma vez, eu tenho naturalmente também outras avaliações desse tipo, e eu tenho certeza porque as pesquisas mostram também, ainda hoje, que o meu governo foi muito bem avaliado, na medida que a gente recorde um pouco, registre um pouco isso, esse problema também será facilmente superado.

BATV – O senhor tem muita experiência, teve oito anos de governo. Caso seja eleito, o que o senhor fará de diferente?

Paulo Souto – Eu não sei nem o que eu faria de diferente, mas o que eu acho importante é dizer o que que a Bahia nesse momento exige de um governador, que vai começar no dia 1º de janeiro. Esse é o ponto principal. Eu acho que o essencial é nós cuidarmos daqueles setores dos quais depende a nossa vida, que é o bem mais precioso que nós temos.

E dois setores dos quais depende a nossa vida, a sua vida e de sua família, hoje em dia estão em uma situação muito difícil na Bahia. A questão da segurança pública e da saúde. Esses setores têm que ser completamente restaurados, para usar uma palavra leve, é preciso dar uma outra dimensão porque é impossível conviver com tanta violência, é impossível conviver com tanto sofrimento daquelas pessoas que buscam, por exemplo, os hospitais do estado.

BATV – O senhor deixa claro que o combate à criminalidade é uma das suas principais bandeiras. O senhor acha que o tráfico de drogas é o maior provocador dessa violência? O que precisa ser feito?
Paulo Souto – Se é verdade que o tráfico de drogas é um dos responsáveis, também é verdade que o governo é um dos responsáveis, porque o governo não cuidou dessa questão. Não é possível que ele simplesmente atribua ao tráfico a questão da criminalidade e não faça praticamente nada.

Eu digo isso, e eu digo a você telespectador, digo sempre batendo na madeira, no bom hábito dos baianos, uma pessoa que mora hoje em Salvador tem um risco seis vezes maior de sofrer um homicídio do que uma pessoa que mora em São Paulo, porque a taxa de criminalidade hoje da região metropolitana de Salvador é seis vezes maior do que a de São Paulo e não digam as pessoas, olhe isso é um problema generalizado no Brasil, a violência é um problema generalizado, só que alguns estados conseguiram reduzir isso, enquanto na Bahia, por exemplo, a região metropolitana cresceu a criminalidade em 76% de 2006 para cá, caiu, por exemplo, em São Paulo 38%, caiu em Pernambuco 38%, caiu no Rio de Janeiro, que é o estado mais violento. Ou seja, os governos foram capazes de reduzir a criminalidade. Aqui na Bahia o governo foi responsável por aumentar a criminalidade.

BATV – Eu gostaria de voltar a falar da questão da saúde. Já ficou provado em pesquisa que a população brasileira se preocupa muito com a questão da saúde e na Bahia a gente sofre muito com a falta de UTIs e leitos, pessoas que têm problemas crônicos e renais no interior precisam vir para a capital. O senhor acha que temos falta de recurso ou falta de gestão?
Paulo Souto – Eu não tenho dúvida nenhuma de que a maior parte desses problemas é falta de gestão. Por exemplo, UTI é preciso ter cuidado com os números enganosos que o governo publica. Nós fizemos praticamente o dobro de UTIs em relação ao governo atual, que tem tido mais recursos.

É problema relacionado a gestão, eu quero dizer com relação a saúde. E tem uma coisa gravíssima, o Programa Saúde da Família, que é a questão do atendimento básico à saúde nós aumentamos 30 pontos percentuais em quatro anos, passamos de uma cobertura, ou seja, o atendimento à população de 21% para 51%.

O governo em três anos e meio só chegou a 55%, aumentou apenas quatro pontos percentuais. Nós vamos construir seis hospitais regionais, vamos fazer um grande hospital de câncer, porque o atendimento às pessoas portadoras de câncer na Bahia hoje está muito precário.

BATV – Quais são as suas considerações finais?
Paulo Souto – Eu quero dizer aos baianos que temos muita confiança, nós temos experiência, seriedade e nós estamos preparados para governar a Bahia como vocês precisam.