Os baianos lideram o ranking de pessoas que adotaram a portabilidade numérica de telefones fixos e móveis no Nordeste.

Segundo dados da Associação Brasileira de Recursos em Telecomunicações (ABR Telecom), até o final de setembro, mais de 226 mil pessoas mudaram de operadora no estado e mantiveram o número do telefone antigo. Pacotes promocionais e tarifas mais em conta foram os principais motivos das migrações.

Em dois anos, a portabilidade beneficiou cerca de 6,7 milhões de pessoas em todo o país. Do total de migrações, 4,6 milhões (70%) foram feitas por usuários de telefones móveis e pouco mais de 2 milhões (30%) por assinantes fixos. A professora Leilane Nascimento foi uma das que optou pela troca. Insatisfeita com o valor da conta de seu telefone fixo, que chegava a R$ 200, ela resolveu mudar de operadora.

“Minha conta sempre veio muito alta, mas agora eu peguei um plano em que pago R$ 109 por mês, com direito a mil minutos de ligação e internet. Sai muito mais em conta”, garante. Apesar da mudança, ela manteve o mesmo número do telefone antigo. “Preferi assim, para não perder contato com ninguém”.

Também pensando nos contatos, neste caso, dos clientes, o técnico em eletrônica Evandro de Jesus também conservou o número ao trocar da Oi para TIM. “Já tinha até cartões de visita com o telefone”. Segundo ele, ter um novo número seria um transtorno.

“Eu ia acabar perdendo cliente. Como o meu telefone de casa está quebrado, todo mundo me procura no celular”. A mudança, conta ele, foi motivada pelas vantagens que a nova operadora lhe ofereceu. “Minha família toda tem número da TIM e eu posso falar à vontade com eles”.
Correio*