Passadas as eleições, onde a prioridade era eleger o governador Jaques Wagner e a ex-ministra Dilma Rousseff, um novo embate toma conta do cenário político baiano. A briga agora gira em torno de quem será o novo presidente da Assembleia Legislativa. Nomes não faltam para a disputa.

O detalhe fica por conta de, ao menos por enquanto, todos serem da base governista. Com base nisso, a expectativa maior é pelo aval do governador Jaques Wagner. Sabendo disso, seus aliados e pré-candidatos ao cargo Marcelo Nilo (PDT), que deverá tentar uma reeleição, Ronaldo Carleto (PP), Álvaro Gomes (PCdoB) e Paulo Rangel (PT) aguardam com ansiedade o retorno do chefe do Executivo para colocarem seus times em campo em busca dos votos dos colegas.

Wagner encontra-se de férias na Argentina, ao lado da primeira-dama, Fátima Mendonça. Enquanto isso, movimentos já acontecem em busca do apoio dos deputados estaduais novatos.

O comunista Álvaro Gomes, por exemplo, já afirmou que não se curvará ao desafio. “Eu nunca apresentei meu nome para a Presidência, mas isso vem sendo veiculado em diversos meios de comunicação.

Se o meu nome for efetivamente colocado nesse debate, eu aceitarei o desafio”, afirmou Gomes. As razões pelas quais seria uma boa opção, segundo Gomes se resume a sua “assiduidade, lealdade ao governo Wagner e aos princípios democráticos”.

Assim como ele, Marcelo Nilo deixa evidente o desejo de assegurar um 3° biênio na chefia do poder. O pepista Ronaldo Carletto, levando em consideração o crescimento do seu partido, segunda maior bancada da base, perdendo apenas para o PT, também não esconde a vontade de presidir o Executivo estadual. De acordo com seu chefe de gabinete, Vivaldo Góes, o parlamentar tem dito o clássico “ninguém é candidato de si mesmo”.

Contudo, todos sabem que a queda de braço será grande. Os petistas, por exemplo, já divergem internamente. A polêmica teve início quando o líder do PT na Casa, Paulo Rangel, decidiu sinalizar o interesse do partido no embate, depois que outros nomes começaram a surgir no tabuleiro sucessório.
TribunadaBahia