A Ordem dos Advogados da Bahia (OAB-BA) encaminhou nesta segunda-feira (8) um ofício ao Inep e ao MEC solicitando esclarecimentos sobre os problemas ocorridos durante o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Em nota, a instituição diz que seguiu o posicionamento do presidente do Conselho Federal sobre o tema.

O Secretário Geral da OAB-BA, André Godinho, diz que a seccional defende que Enem 2010 seja anulado, como uma maneira de garantir “a isonomia para todos os candidatos e a credibilidade do certame”. A Justiça Federal do Ceará, acatando pedido do Ministério Público Federal do estado (MPF-CE), determinou a suspensão do Enem em todo o país.

Problemas
O Enem deste ano teve problemas de impressão. Por um erro, folhas do caderno de prova amarelo, uma das quatro versões do exame, estavam misturadas com folhas da prova branca, o que provocou confusões, com questões repetidas ou ausentes.

A folha de respostas também teve problemas, com diferenças entre o cabeçalho do gabarito e o número de questões da prova. Por exemplo, as questões de ciências humanas estavam sob a tarja ciências da natureza e vice-versa, o que gerou insegurança e dúvidas entre os estudantes.

Para completar, um jonalista do Jornal do Commércio, de Recife, se inscreveu para o Enem e conseguiu bular a segurança, usando um celular para mandar um torpedo informando o tema da redação na internet antes do tempo mínimo para a saída da sala.
Correio*