A partida entre Brasil e Argentina representa, acima de tudo, o reencontro de Lionel Messi e Ronaldinho, ex-companheiros de Barcelona e rivais nas Olimpíadas de 2008, em Pequim. Mas duas novas joias sul-americanas terão boa oportunidade para mostrar suas qualidades tão comentadas no amistoso desta quarta-feira, em Doha, no Qatar: Neymar, do Santos, e Javier Pastore, do Palermo, da Itália.


A Globo transmite o clássico entre Brasil e Argentina na quarta, às 15h (de Brasília), ao vivo, direto do Qatar.

Considerado por muitos como um possível sucessor de Ronaldinho Gaúcho na Seleção Brasileira, Neymar teve um encontro com o ídolo, que disse sentir alegria com “a volta do futebol-arte” na última segunda feira. O jogador de apenas 18 anos recusou uma proposta milionária do Chelsea, em agosto, e é apontado como um dos futuros craques mundiais. Apesar de colecionar polêmicas em sua curta carreira, foi fundamental ao Peixe nas conquistas do Campeonato Paulista e da Copa do Brasil.

– Tem grandes qualidades e pode fazer na seleção o que está fazendo no Santos. Espero que em breve esteja entre os grandes do mundo – disse o volante brasileiro Lucas, apontado por Dunga como o futuro do Brasil ao lado de… Neymar.

O ex-técnico da Seleção e atualmente do Palmeiras, Luis Felipe Scolari, também elogiou o jovem jogador santista. Felipão, que também comandou o Chelsea e a seleção de Portugal, afirmou que Neymar poderia estar até entre os 20 melhores do mundo.
Se Neymar gera muitas expectativas, algo semelhante acontece com Javier Pastore, de 21 anos, ex-jogador do Huracán, que fez três gols no fim de semana na vitória por 3 a 1 do Palermo sobre o Catania, no clássico siciliano.

– Pastore é um garoto que progrediu muito no Palermo. Eu o conhecia pouco do Huracán, fui apreciando suas qualidades na Copa do Mundo, apesar de ter jogado pouco – afirmou ninguém menos do que Messi ao site da Fifa.

Dirigentes do Palermo já chegaram a comparar Pastore com o francês Zinedine Zidane. Ele é alvo de clubes como Chelsea, Manchester City, Real Madrid e Barcelona, mas, segundo o próprio clube italiano, só sai por R$ 138 milhões.

Independente dos valores, uma boa atuação no clássico desta quarta, aquele que se constrói uma reputação com gols, assistências e magia, pode significar menos tempo para Santos e Palermo, que tentam resistir ao máximo diante do interesse dos grandes clubes europeus.
GloboEsporte