O policial militar confessou que matou uma jornalista, de 21 anos, porque ela teria reagido depois de ter sido sequestrada. E mesmo depois do assassinato, ele ainda tentou – por seis vezes – receber o resgate. Integrante de grupo de elite da Polícia Militar, o Gate, por cerca de 10 anos, ele também confessou que sequestrou a jovem no dia 11 de novembro.


O estacionamento de um shopping na Zona Oeste de São Paulo foi o local onde, segundo a polícia, a jornalista foi vista pela última vez. Ela manobrava o carro para sair quando ocorreu o sequestro. Naquela mesma noite, a família recebeu uma ligação exigindo resgate.

Os pais da jovem e o noivo acionaram a polícia. O policial só fazia contato de orelhão e cada dia de um lugar diferente. Até que acabou surpreendido, nove dias depois, quando falava de um telefone público na Zona Norte.

A equipe da Divisão Antisequestro da Polícia Civil levou um susto quando se deu conta de quem era o criminoso preso em flagrante: um policial militar do Gate, a tropa de elite da PM de São Paulo. O homem que exigia dinheiro da familia da jornalista já recebeu treinamento especial para libertar vítimas de cativeiro. É um cabo da PM, que atua no Gate há mais de dez anos.

Ele tentou fugir a pé e depois de carro. Trocou tiros com os policiais da Antisequestro. Foi baleado nas costas e acabou preso. Ele está internado em um hospital da Polícia Militar. Com ele, foram encontrados o celular e documentos da vítima. Mas nada do PM entregar o paradeiro dela.

Na tarde deste sábado, a Divisão Antisequestro investigou denúncias de cativeiro. E confirmou ter encontrado o corpo da jornalista nas margens de uma estrada, que dá acesso à Baixada Santista.
G1