Do salário mínimo que Terezinha recebe todo o mês, o que não gasta é guardado em casa. A doméstica está certa de que não é a melhor opção.

“Nessa época de assalto a gente precisa ficar com dinheiro no banco”, avalia Terezinha de Souza, empregada doméstica.

Metade dos baianos não tem conta em banco. A maioria dos excluídos do sistema bancário tem pouco tempo de estudo e ganha menos de cinco salários, R$ 2.700,00.

O estudo feito pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada revela ainda que entre os que mais querem abrir uma conta estão as mulheres de até 24 anos e trabalhadores com renda de até R$ 1.080,00. É o caso de um desenhista. Há um ano e três meses ele abriu a conta numa casa lotérica depois de enfrentar dificuldades nas agências.

“Pedem muitas coisas, xerox disso, xerox daquilo, comprovante de renda, comprovante daquilo, e terminou eu abrindo numa casa lotérica, onde foi muito mais fácil”, conta Rosiel Sena, desenhista.

O desenhista não precisou comprovar renda. Nas lotéricas e correspondentes bancários basta apresentar identidade, CPF e comprovante de residência. Nesse caso não tem direito a cheque, mas recebe cartão de débito. Hoje no estado 645 mil clientes tem este tipo de conta.

“Ele vai poder utilizar esse cartão da conta sem precisar sacar o dinheiro todo de uma vez só. Vai poder sacar esses recursos de modo parcelado, inclusive fazendo compras, sem precisar levar o dinheiro, pagando com o próprio cartão”, explica José Ronaldo Maia, gerente regional da Caixa Econômica.
BATV