O Hospital Geral de Vitória da Conquista/HGVC informa, com pesar, que na noite desta quarta-feira (26), às 23 h, faleceu a paciente Ruth, de sete anos de idade. A paciente sofria de neurotoxoplasmose congênita, uma doença desenvolvida durante a gravidez que deixa sequelas graves, como tetraplégica, problemas na visão e audição, além de causar inflamação no cérebro.

Por conta da gravidade da doença, a família internou a garota no HGVC aos dois meses de vida. Após um breve período de internação, os familiares não compareceram mais na unidade, alegando dificuldades sociais e econômicas. O tratamento poderia ser feito através de Internação Domiciliar/ID (conhecida também como home care), serviço oferecido pelo HGVC. Entretanto, a família da garota afirmou que não poderia acompanhá-la e Ruth tornou-se uma interna permanente do hospital.

A médica e coordenadora Rachel Rizério diz que a morte de Ruth, aconteceu de forma natural, já que não houve nenhuma infecção . “Ruth era acompanhada por todos os médicos da Unidade de Terapia Intensiva/UTI pediátrica, além de técnicos e enfermeiros. Foi muito triste para todos, pois cuidávamos com muito amor da criança”, declara a Drª Rachel Rizério.

A toxoplasmose congênita é uma infecção causada pelo parasita Toxoplasma gondii, que costuma passar despercebida em pessoas sadias, mas é muito grave em grávidas e em pacientes com baixa eficiência do sistema imunológico. O organismo existe em todo o mundo e infecta 0.3-1 em cada 1.000 recém-nascidos. Cerca de metade das mulheres infectadas durante a gravidez dão à luz crianças com toxoplasmose congênita. O risco de o feto ser infectado é maior se a mãe for infectada no final da gravidez, mas a doença é geralmente tanto mais grave quanto mais cedo no período de gravidez se verificar a infecção.
Ascom HGVC