Lançados, no começo de janeiro, com uma tiragem de 900 mil unidades, os selos comemorativos em homenagem ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegam ao fim do mês como raridade nas agências dos Correios.

Disponíveis desde dia 1º de janeiro, data em que Lula passou o cargo para Dilma Rousseff, os selos com a foto do ex-presidente têm sido requisitados nas agências e até atraíram colecionadores. Ainda assim, não são unanimidade entre os clientes.

Embora apontem que não faltam pedidos por mais selos com a cara de Lula, funcionários de algumas agências dos Correios já se depararam com outros que se negam a estampar em suas correspondências a imagem do ex-presidente.

“É uma questão de afinidade mesmo. Para a maioria das pessoas o selo foi bem aceito”, diz o gerente de uma agência na zona sul de São Paulo, que prefere não ser identificado.

De acordo com ele, os guichês viraram palco de discussões políticas desde que chegou o primeiro lote de selos com a foto do ex-presidente, tiradas nos jardins do Palácio da Alvorada pelo ex-fotógrafo oficial da Presidência, Ricardo Stuckert.
IG