Carlos Andrade de "A Fórmula"

A capital baiana pode ter todo o charme de suas belas praias e até mesmo a preferência dos turistas, mas quando o assunto é o mundo dos negócios, são as cidades do interior do Estado que despontam como as meninas dos olhos dos empresários para os próximos anos.

De acordo com dados da Secretaria da Indústria, Comércio e Mineração do Estado da Bahia (SICM), o número de empresas de pequeno, médio e grande portes implantadas no interior aumentou 150% entre os anos de 2007 e 2010. Neste período, 54% das empresas (que tiveram incentivo do governo do Estado) se destinaram ao interior, contra 46% em Salvador e Região Metropolitana. Quanto aos empregos, a proporção foi de 67% contra 33% da capital.

Os investimentos mais expressivos são em energia renovável, mineração, naval e portuária, químico, petróleo e biocombustíveis, alimentos e bebidas, comércio e serviços. Mas engana-se quem pensa que apenas as grandes serão beneficiadas.

“A oportunidade de crescer no interior é real. É uma forma de expansão das vendas, buscar novos mercados”, acredita o presidente da Federação das Associações das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte do Estado da Bahia (Femicro), Moacyr Vidal.

Segundo ele, as expectativas são boas por conta de uma união de fatores. “A tendência é que esse número aumente em função do mercado, com o crescimento de algumas cidades, do amadurecimento da lei geral das micro e pequenas empresas – aprovada em 2007, e do advento da internet”, acrescenta Vidal, apontando cerca de 30 municípios como os mais promissores, por serem polos de microrregiões com indústrias e um bom mercado consumidor. Dentre eles estão Feira de Santana, Vitória da Conquista, Itabuna, Ilhéus, Luís Eduardo Magalhães e Eunápolis.

Presente na Região Norte do País e em todos os estados do Nordeste (com exceção do Maranhão), com um total de 75 unidades, a empresa de manipulação A Fórmula comemora os resultados na Bahia. “Para 2011 temos oito pedidos na fila para serem avaliados, superando nossa expectativa de abrir até cinco novas franquias este ano.

Vemos um crescimento muito grande no interior e, por isso, há espaço para mais farmácias”, avalia o diretor Carlos de Souza Andrade, que também é vice-presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo da Bahia. Segundo ele, estão na fila empresários de Barreiras, Catu, Guanambi, Luís Eduardo Magalhães, Dias D´ávila, Valença, Vitória da Conquista e Senhor do Bonfim.
ATarde