Por Ubaldino Figueiredo

Tenho acompanhado os jogos dessa edição da Copa América, e confesso que não vejo nenhum entusiasmo por parte dos torcedores, a não ser dos chilenos. Inclusive o tenho observado é a maneira como as seleções vêm jogando, inclusive os ditos fora de série (esta é nova), parecem que estão exausto, cansados, desmotivados, talvez em função dos jogos nas competições dos campeonatos dos países onde atuam, principalmente na Europa, onde várias competições são realizadas simultaneamente.

O que me despertou a atenção foram os destaques dados à punição de Neymar, que ficou fora da Copa e, provavelmente, caso a seleção brasileira não se classifique para as finais, de parte dos jogos da eliminatória da Copa, ou outras competições oficiais.

Outro fato que ocupou os noticiários e redes sociais, de todo o mundo, principalmente nas Américas, foi a (DEDADA) recebida por CAVANI, do Uruguai, aplicada pelo Chileno JARA, resultando na reação do jogador uruguaio, por isso foi expulso, quando deveria ser o contrário, desfalcando seu time, o que possibilitou o triunfo da seleção chilena. Também, pela interpretação errônea, o árbitro da partida, o brasileiro Sandro Meira Ricci foi suspenso da Copa América.

Interpretações semelhantes estão ocorrendo, não sei se orientados de maneira equivocada pela comissão de arbitragem, ou se é mesmo a má fase pela qual passa as arbitragens em toda a América. Nas competições europeias não vemos números exagerados de faltas, nem aplicação de cartões amarelos e vermelhos, a não ser em casos extremos, isto porque os jogadores se respeitam, os dirigentes dos clubes não permitem e, não aceitam que seus atletas sejam punidos por violências ou atitudes antiesportiva.

Nas Américas os árbitros são coniventes e permissivos, o que gera a violência e atitudes hostis. O Brasil entra em campo hoje contra o Paraguai, seleção que joga pesado, vamos ver o vai dar.