DSC_0004

Foto: Jornal Impacto

Os trabalhadores do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) na Bahia mantêm greve há uma semana e só devem marcar assembleia após a apresentação da contraproposta pelo governo federal, no dia 21 de julho.

O comando de greve tem conhecimento de que o serviço da Previdência Social não foi paralisado apenas na cidade de Bom Jesus da Lapa, no oeste baiano, e está a caminho da cidade, na tarde desta segunda-feira (13), para conversar com os trabalhadores do local. O G1 tentou contato com a agência da cidade, porém os números não atendem.

“Na Bahia, está praticamente 100% parado, mas só em Bom Jesus da Lapa os servidores não estão parados. Isso se deve à distância, à falta de mobilização. Nas regiões da capital, de Feira de Santana, Santo Antônio de Jesus, Itabuna ou Vitória da Conquista, por exemplo, a adesão chega a 100%”, informou Ricardo Sampaio, coordenador do comando de greve.

A greve começou no dia 7 de julho e uma assembleia realizada no dia 10 do mês manteve a decisão dos trabalhadores continuarem parados, de acordo com o sindicato da categoria. A mobilização é nacional. Eles pedem reajuste de 27,5% imediato, com aumento gradual durante os próximos quatro anos, além de melhorias nas condições de trabalho e no atendimento à população.

De acordo com Sampaio, o Ministério do Planejamento sinalizou, durante reunião com representantes da categoria, na terça (7), que fará contraproposta até o dia 21.

“Até lá, a greve continua por tempo indeterminado. Foi isso que decidimos na assembleia desta sexta. Caso a proposta apresentada no dia 21 seja boa, a gente acaba a greve. Vamos aguardar para ver o desfecho dessa situação”, afirmou Sampaio.

Em nota publicada no site, o Ministério do Planejamento informou que propôs o índice de 21,3%, dividido em parcelas de 5,5% em 2016, 5% em 2017, 4,8% em 2018 e 4,5% em 2019. Ainda segundo a nota, as negociações irão continuar e nova reunião deverá ocorrer até o final deste mês.

Serviços afetados
Segundo Ricardo Sampaio, serviços da Previdência foram afetados, entre eles pedidos de aposentadorias, salários maternidade, auxílio doença, auxílio reclusão e seguro defeso. Ainda de acordo com Sampaio, todos os agendamentos foram cancelados.

Os munícipios de Santo Amaro, Ipirá, Cruz das Almas, Valença, Senhor do Bonfim, Salvador, Lauro de Freitas, Santo Antônio de Jesus, Juazeiro, Itabuna, Vitória da Conquista, Alagoinhas, Dias D’Ávila, Candeias, Mata de São João, Esplanada, Simões Filho, São Sebastião do Passe, Feira de Santana e Barreiras, entre outros interiores que pertencem às sete gerências do INSS na Bahia estão com unidades fechadas.

Ainda segundo Ricardo Sampaio, além da pauta nacional, os servidores na Bahia denunciam que trabalhadores terceirizados que atuam nas agências do estado estão sem receber salário há três meses. De acordo com o coordenador do comando de greve, os 30% de atendimento mínimo não foram estabelecidos até esta segunda (13).

G1