danielAlunos de uma escola do distrito de Baté Pe, na zona rural em Vitória da Conquista, cidade que fica no sudoeste baiano, produziram pequenos filmes inspirados na obra do músico Elomar Figueira Mello, conquistense e um dos mais importantes cantores e compositores vivos da região, com destaque em todo o estado e também no país.

Uma da canções compostas pelo artista, “Incelença pro amor retirante”, faz parte da trilha da novela “velho Chico”, da TV Globo. Cantanda por Xangai e com participação do próprio compositor, a música fala de amor.

O estudante Daniel Lopes, 8 anos, escolheu outra música do artista, “Acalanto”, para fazer o roteiro do curta dele. “Ela é bonita e o final dela é triste. Triste, mas bonito. Muito emocionante”, diz o garoto sobre a canção que transformou em filme.

São os alunos que escrevem o roteiro, dirigem, produzem e gravam os filmes, com câmeras e celulares. O resultado dos trabalhos serão apresentados no Festival de Cinema do distrito de Baté Pé. Essa será a primeira vez que Daniel vai participar do evento.

O projeto é desenvolvido há 7 anos na Escola Municipal Eurípides Peri Rosa. A ideia surgiu numa aula de redação, quando um grupo de alunos quis apresentar um livro de uma forma diferente.

“Esses alunos organizavam peça teatral, outros iam fazer cartazes. Um mais tímido [fazia] jogral. E o grupo que estava com Dom Casmurro pediu pra fazer na máquina fotográfica digital”, explica Davino Salvador, organizador do festival.

A apresentação fez tanto sucesso que alunos de outras turmas também quiseram produzir os próprios filmes com celulares e câmeras. Quem participa uma vez, se encanta. “É muito bom ser ator”, diz o estudante Paulo Henrique, de 8 anos.

Para a 8ª edição do projeto foram produzidos 12 filmes. Mais de 250 estudantes se envolveram diretamente com o festival. Alguns familiares também acabaram participando. Dona Eliane Oliveira, que é mãe de um dos alunoss, por exemplo, virou atriz. “Eles me pegaram de surpresa para participar. Gostei”, disse.

Neste ano, o festival vai ter como tema “Marcas da Mata Branca”, que faz alusão à realidade local e ao músico Elomar Figueira, que fez também a cultura sertaneja ficar conhecida mundialmente. “Nesse espaço que nossos alunos estão inseridos existe uma pessoa muito importante, que pela sua produção artística, que valoriza as vivências, o cotidiano do homem sertanejo, nós achamos que fosse justo trazê-lo ao conhecimento desses alunos, que é o Elomar Figueira”, explica Maria José Ribeiro, responsável pela sala de leitura da escola.

G1