evaUma jovem de 21 anos que mora no município de Camaçari, na região metropolitana de Salvador, usou as redes sociais para denunciar que ela e a mãe foram violentadas e torturadas durante anos pelo padrasto. O homem foi preso e, segundo a Polícia Civil, nega as acusações.

Eva Luana da Silva, de 21 anos, relatou em cinco posts no Instagram que o “caos” teve início quando ela tinha 12 anos. Ela conta que a mãe era constantemente vítima do companheiro e que, depois, passou a ser alvo dele também.

“Minha mãe era agredida, abusada, violada e torturada quase todos os dias. Meu padrasto era obsessivo e ciumento com ela. Resumindo de uma maneira geral, ela era agredida com chutes, joelhadas, objetos. Era abusada sexualmente de todas as formas possíveis. Era obrigada a tomar bebidas até vomitar e quando vomitava tinha que tomar o próprio vômito como castigo. Ele começou a me abusar sexualmente. Eu tinha nojo, repulsa, ódio e não entendia porque aquilo acontecia comigo. Me sentia uma criança estranha e diferente das outras”, contou a jovem.

A delegada Florisbela Rodrigues, titular da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (DEAM) de Camaçari, disse que a jovem prestou depoimento no dia 30 de janeiro. A mãe dela também falou com a polícia e confirmou as denúncias da filha.

 “Minha mãe apanhou tanto que teve um parto prematuro, meu irmão morreu depois de 6 dias de nascido. Quando ela estava grávida dele, levou diversos chutes e joelhadas na barriga. Ele não queria mais um filho”, diz trecho de uma das postagens.

Ainda no Instagram, Eva diz que está sob proteção jurídica.

Após as postagens, recebeu várias mensagens de apoio nas redes sociais, entre elas da atriz Kéfera Buchmann.

 Além de mandar mensagem para Eva perguntando como estava, Kéfera fez posts em seu perfil no Instagram para falar sobre o caso.

“A história dela é seríssima. Vou postar tudo aqui pra vocês, mas acho que vocês têm que ir no perfil dela pra conhecer e ler melhor e ver todas as fotos. Ela sofreu anos de abuso dentro da casa dela”, disse.

Tortura

Em um dos posts, ela diz que denunciou o caso uma vez, quando tinha 13 anos, mas que não deu em nada e ela foi obrigada a retirar a queixa por conta de ameaças.

“Quando eu fiz 13 anos, denunciei. Nessa denúncia, eu tinha certeza que seria salva por todos. Mas não foi isso que aconteceu. O Estado falhou a tal ponto, que o meu caso não chegou nem ao Ministério Público. Fui obrigada a retirar a queixa por ameaças do meu padrasto. Ele utilizou o poder financeiro pra comprar a liberdade e comprar a minha alma. Porque ali eu perdi a minha alma. E o que eu fui denunciar, 1 ano de sofrimento, se multiplicou em mais 8 anos”, relatou.

Após a tentativa frustrada de levar o padrasto para a cadeia, a jovem disse que os abusos, torturas e agressões aumentaram.

“Eu não tive mais vida social. Tudo era uma farsa. Ele nos obrigava a fingir que tínhamos uma família perfeita. As agressões eram verbais, físicas e psicológicas. Entre elas comer muito, em tempo estipulado. Isso aconteceu com uma pizza família, pra comer inteira em 10 minutos. Óbvio que não conseguimos. Também tomar 2 litros de refrigerante nesses 10 minutos. Eu levei socos no rosto, e ele não me deixava me proteger com a mão. Chutes até cair no chão e, de quatro, ele enfiou as pizzas na minha boca, me chamando de animal. Eu vomitei e comi meu próprio vômito. Meu gato comeu um pedaço e lambeu outro, ele me obrigou a comer o que ele havia lambido”, destacou.

A jovem ainda relatou que era obrigada a fazer trabalhos de faculdade para o padrasto. “Se eu não fizesse perfeito, eu pagava o preço. Eu também respondia todas as provas da faculdade, era obrigada a sair mais cedo da minha aula pra responder às provas dele pelo celular. Existiam castigos e punições pra tudo. Até mesmo se eu não pagasse uma conta no banco que estava super lotado, mesmo tendo horários no trabalho ou estágio”.